Biblioteca

28/11/2018

Especialistas debatem os desafios na formação de novos leitores na 1ª Semana Internacional da Leitura

aFormar leitores que tenham prazer pela leitura e gosto pelos livros. Este é um dos principais desafios apontados pelos especialistas que participam das mesas redondas e palestras da 1ª Semana Internacional da Leitura, promovida pela Secretaria de Estado da Cultura (SEEC) com apoio da Biblioteca Pública do Paraná (BPP).

 De 26 a 30 de novembro, período em que acontece o evento, agentes de leitura, especialistas em leitura vindos de todo o Brasil e de outros países,  debatem, no auditório da BPP, as soluções e os desafios para promover a leitura e a literatura.  

A mesa redonda “Políticas públicas do livro, leitura, literatura e bibliotecas” por exemplo, que aconteceu no dia 27/11, contou com a contribuição do professor  José Castilho Marques Neto da Universidade Estadual Paulista (UNESP). Ele já foi secretário executivo do Plano Nacional do Livro e leitura e defende o fortalecimento de planos locais para que o acesso aos livros seja alcançado.

Para ele, é fundamental que além das políticas públicas que incentivem a leitura, este acesso seja entendido de uma forma mais ampla. “Quando estamos falando de acesso, não estamos falando apenas em dar o livro nas mãos da criança. Mais do que isso, quando você presenteia uma criança com um livro, você precisa ler com ela. Fazer o papel fundamental dos mediadores de leitura, que compõem o segundo eixo do Plano Nacional de Leitura. O Brasil todo já compreendeu que não basta ter o livro na mão, é preciso o estímulo para que o leitor exista”, completa o professor.

A mediação de leitura foi o tema dos debates da tarde do mesmo dia. Marta Morais da Costa, escritora e membro da Academia Paranaense de Letras aposta no investimento da formação de mediadores como uma boa saída para conquistar mais leitores.  “Pesquisas apontam que a fase em que as pessoas mais lêem é a fase escolar. Depois que esta fase passa, que não são mais obrigados a ler pela escola, as pessoas deixam de ler. Então, é necessário despertar esta necessidade pela leitura. Porque não é falta de tempo. Se fosse assim, as pessoas com mais de 60 anos seriam ávidas leitoras e não é o que as pesquisas mostram”, diz a escritora. 

Nos debates desta quarta-feira (28), o destaque da programação foi a especialista espanhola Inês Miret. Ela é co-diretora do Instituto Emília de formação, uma rede de profissionais da América Latina, Espanha e Portugal que tem o objetivo de criar inovações na formação de mediadores de leitura. A especialista falou sobre as "Redes Sociais de Leitura e Escrita: experiências e inovação em projetos da América Latina e Espanha” onde apresentou casos de sucesso que passaram pela instituição.

Para Miret, os desafios brasileiros na conquista de novos leitores são muito semelhantes aos dos demais países. “O tempo é muito precioso e precisamos entender que quando dedicamos este a uma série de televisão, abrimos mão de nos dedicarmos a um livro, por exemplo. Eu creio que há um desafio internacional, compartilhado por culturas, países e línguas distintas que  sem leitura não há construção de mundo. Então, acredito que o livro, a leitura e a literatura tem que existir. A TV,  o rádio e  a internet podem ser aliados da literatura, mas não a substituem”, afirma.

 

Na prática

 A plateia, formada por agentes, mediadores de leitura e outros profissionais e interessados na área, participa de todos os debates do evento, com intervenções e perguntas.  Alana Saiss é uma desses agentes e trabalha com a mediação de leitura em Curitiba, no bairro Tatuquara. Para ela, participar de eventos como este, renovam o repertório e melhoram os resultados no trabalho. “Nosso trabalho é um trabalho de performance. Precisamos conquistar, renovar o nosso pensamento sempre. Ouvir outras experiências, sempre nos faz refletir. Acho muito válido quando reflito, será que isso daria certo com as crianças que eu atendo? É um ótima forma de se renovar”, comemora a agente.

A fórmula mágica que faz com que um letrado vire um leitor não parece mesmo existir. Atento à mesa redonda sobre políticas públicas, Norberto Heinz, escritor e membro do Conselho Estadual de Cultura já aplica um método próprio na região de Guarapuava, onde mora. Mediador de leitura e contador de histórias, Heinz ensina crianças a contar histórias e a produzir os próprios livros. Para ele, o exercício da contação ajuda as crianças a gostarem de livros. “Quando elas se inserem neste mundo, elas sentem que isso pertence a elas também, o que faz com que gostem e queiram ler”, diz Heinz. 

 

A 1ª Semana Internacional da Leitura vai até a sexta-feira dessa semana. Amanhã (29) e sexta (30), especialistas discutem o papel e o futuro das bibliotecas públicas. O evento é aberto ao público e gratuito.

Confira a programação completa AQUI.  

 

1ª Semana Internacional da Leitura


II Encontro de Agentes de Leitura do Paraná e Seminário de Avaliação do Plano Estadual do Livro Leitura e Literatura (PELLL)


Encontro de Bibliotecas Públicas do Paraná

Local: Biblioteca Pública do Paraná

Data: de 26 a 30 de novembro

Cândido Lopes, 133

http://www.bpp.pr.gov.br/

41 3221-4900 / 41 3225-6883

Fonte: SEEC

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.