Cinema

29/08/2019

Programação do CineMIS de setembro tem como tema a natureza brasileira

Serão exibidos longas-metragens nacionais, entre documentários e ficções, que abordam o assunto de vários pontos de vista


Serão exibidos longas-metragens nacionais, entre documentários e ficções, que abordam o assunto de vários pontos de vista
Filme "Hiper Mulheres" de Carlos Fausto (2012).

O CineMIS – programação permanente de filmes do Museu da Imagem e do Som do Paraná (MIS-PR), às terças e quintas-feiras, sempre às 16 horas – exibirá em setembro  filmes brasileiros que, de alguma maneira, desbravam a natureza como cenário ou mesmo como assunto principal. A programação abre na próxima terça (03/09) com “Taego Ãwa” (2016), de Marcela Borela e Henrique Borela. O longa-metragem é realizado a partir de um encontro com os índios Ãwa na Ilha do Bananal, no estado de Tocantins, suscitado por antigas fitas VHS, que documentam a colonização do Brasil Central.

Na quinta-feira (05/09) – Dia da Amazônia – será exibido o premiado “Hiper mulheres” (2012), de Carlos Fausto, Leonardo Sette e Takumã Kuikuro, uma produção do projeto Vídeo nas Aldeias (VNA), precursor na área de produção audiovisual indígena no Brasil, criado em 1986.

A programação de setembro do CineMIS também inclui o documentário “Sob a pata do boi” (2018), dirigido por Marcio Isensee Sá. O filme traz um panorama histórico e econômico da pecuária no país e seu impacto ambiental na floresta amazônica. Entre os longas-metragens de ficção incluídos no calendário do mês estão o singelo “Jonas e o circo sem lona” (2016), de Paula Gomes, e o divertido “Apart Horta” (2015), assinado por Cecilia Engels. Em ambos os filmes, a natureza permeia as relações interpessoais.

Há, ainda, “Baré, povo do rio” (2015), de Tatiana Toffoli, que retrata a vida e os costumes dos habitantes do noroeste amazônico falantes do nheengatu, língua difundida pelos carmelitas no período colonial. Ainda na senda do retrato de costumes está o longa paranaense “A grande nuvem cinza” (2016), que acompanha por três anos a vida de cinco famílias plantadoras de tabaco da região central do Estado. O filme esteve em diversos festivais no Brasil e no mundo, como o NAFA, na Romênia, e o Family Film Project, em Portugal, no qual ganhou o Prêmio do Júri.

Fecha a programação do mês “Sementes do Nosso Quintal” (2014), de Fernanda Heinz Figueiredo, filme que planta uma semente de esperança para o futuro por meio da educação.

Quase todos os filmes de setembro do CineMIS estão na Videocamp (https://www.videocamp.com/pt), uma plataforma de difusão de filmes de impacto disponibilizados para exibições públicas gratuitas.

Segundo a diretora do MIS-PR, Cristiane Senn, a programação, que tem curadoria dela e de Ana Paula Málaga, coordenadora de programação do museu, surge num contexto “em que se fazem urgentes as reflexões sobre o chão em que pisamos. E o audiovisual é um ambiente de grande importância nesse contexto”. “A difusão de imagens e ideias de natureza – seja na forma de documentários investigativos, na observação de povos e culturas ou nas ficções em que a natureza se conecta aos seres de modo sutil – ajuda a promover a consciência do ser humano como parte da natureza e, portanto, como agente responsável de suas ações sobre ela. Paralelamente a isso, deparamo-nos com o Videocamp, essa plataforma de difusão que oferece um conteúdo precioso e diverso”, afirma a diretora.

 

Serviço

CineMIS setembro – natureza em foco

De 03 a 26 de setembro de 2019

Exibições terças e quintas-feiras, às 16h

Museu da Imagem e do Som do Paraná

Rua Barão do Rio Branco, 395, Centro. Curitiba/PR

Entrada gratuita

 

PROGRAMAÇÃO:

 

03/09: “Taego Awa” (de Henrique Borela, Marcela Borela, 2016, 75 min, Classificação: 12 anos)

 

05/09: “As Hiper Mulheres” (de Carlos Fausto, Leonardo Sette e Takumã Kuikuro, 2013, 1h20, Classificação: 12 anos)

 

10/09: “Apart Horta” (de Cecilia Engels, 2015, 55 min, Classificação livre)

 

12/09: “Sob a pata do boi” (de Marcio Isensee e Sá, 2018, 49 min, Classificação livre)

 

17/09: “A grande nuvem cinza” (de Marcelo Munhoz, 2016, 1h12, Classificação livre)

 

19/09: “Baré, o povo do rio” (de Tatiana Toffoli, 2015, 1h03, Classificação livre)

 

24/09: “Jonas e o circo sem lona” (de Paula Gomes, 2016, 1h21, Classificação livre)

 

26/09: “Sementes do nosso quintal” (de Fernanda Heinz Figueiredo, 2014, 1h56, Classificação livre)

Fonte: Assessoria de Comunicação da Secretaria de Estado da Comunicação e da Cultura

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.