Música nos Museus do mês de julho: Marilia Giller

Sobre Marília Giller:



Nasceu em Capinzal (SC) em 1964, em 1972 iniciou os estudos do piano erudito com a Profª Albertina Ming em Campinas (SP) e em 1974 com a Profª Josélia Machado. Curitiba (PR) iniciando o estudo da música popular brasileira. Em 1978 tem os primeiros contatos com o rock progressivo motivando-a à composição, continuou os estudos clássicos no Conservatório Carlos Gomes em 1980. Em 1990 estudou Jazz-piano com o Profº Thierry Lang, em Montreux (SW).

Há 25 anos apresenta-se em teatros, shows, festivais, eventos e bares, no Brasil e Europa. Em seu estilo musical funde elementos do jazz-fusion com atmosferas brasileiras, em seu repertório instrumental integra composições próprias entre standard’s da música brasileira e do jazz fusion, destacando-se as participações com o grupo SOTAK no Free Som - prévia do Free Jazz Festival de São Paulo (1990) Festival de Jazz 0ff de Montreux (1991-93-94), Festival de Jazz de Fribourg (1992), PRÊMIO 'SAUL TRUMPET' CD Manha (1997), PRÊMIO 'SAUL TRUMPET' CD Ozônio (1998), DESTAQUE Artista Revelação 2006 – Revista Jazz Mais (2006).

Desde 2007 circula com o show Tributo ao Piano Brasileiro nos palcos paranaenses, incluindo no repertório obras dos compositores do piano brasileiro, homenageando também os paranaenses como Bento Mossurunga, Brasilio Itibere, Gebran Sabbag e Arrigo Barnabé.

Com seu Quinteto Fusion desenvolve o projeto “Teoria da Situação”, onde propõe integrar elementos sonoros às concepções plásticas de sua última fase.

Em janeiro de 2008 estreou o show Tecido de Metas, iniciando os shows que marcam os 25 anos de carreira de artista.

É Especialista em Música Popular Brasileira (FAP-2005), Bacharel em Música Popular (FAP-2007) e Bacharel em Pintura (EMBAP -1984). Desenvolve pesquisa sobre a Didática do Piano Brasileiro e também sobre a História do Jazz em Curitiba, administra Oficina de Piano Popular nas faculdades de artes e em escolas de música do Brasil.


O SHOW


O show Tributo ao Piano Brasileiro, é resultado de sua pesquisa “O Piano Brasileiro – Simultaneidade de códigos”, para o título de Especialização em Música Popular Brasileira.

Apresenta um repertório que exalta a composição para o piano no Brasil sob seus aspectos históricos, sociais, musicais e estéticos, ressaltando as transformações ocorridas na sua linguagem, desde a chegada do primeiro piano ao Brasil em 1808 até o início do século XXI, como também, o surgimento dos 'pianeiros' que geralmente eram os nascidos de famílias humildes, com pouco conhecimento técnico e teórico, mas com muito balanço dos ritmos das ruas. que consolidaram a linguagem passando por

A pianista executará temas com arranjos contemporâneos criados por ela, assim interpretando obras de compositores vultosos como Chiquinha Gonzaga, Ernesto Nazareth; Sinhô, Zequinha de Abreu, Brasílio Itiberê, Bento Mossurunga, Tom Jobim, Nelson Ayres, Egberto Gismont, Gebran Sabag, Waltel Branco, Arrigo Barnabé, e também homenageando os pianeiros que criaram uma maneira de se fazer música de qualidade com representação conceitual, porém como mesmo acabamento e representatividade.

O projeto contribui para cultura geral, pois resgata e mapeia as ramificações étnicas, culturais e estéticas do Brasil, mostrando que a história do piano brasileiro desenvolve-se sob um roteiro de múltiplas faces e contribui de forma específica, pois retrata o pianista popular brasileiro, em sua trajetória e linguagem mostrando o histórico do piano, este nobre instrumento que no final do século XIX migra das salas de concerto para os salões em clubes populares construindo pontes entre linguagens opostas.


Programa:


Gaúcho - Chiquinha Gonzaga.............. (Tango Brasileiro)

Lua Branca - Chiquinha Gonzaga ...........(Canção)

Escorregando – Ernesto Nazareth ...........(Choro)

Gosto que me Enrosco – Sinhô........ (Samba-Maxixe)

Não me Toques – Zequinha de Abreu ...........(Choro)

Sapecada – Bento Mossurunga .......(Toada)

Cordão de Prata – Brasilio Itibere ..........(Marcha)

Saint Hilaire - Waltel Branco ........(Valsa)

Inútil Paisagem – Tom Jobim ........(Bossa nova)

Ludus – Gebran Sabbag ........(Samba Jazz)

Maracatú – Egberto Gismonti ........(Maracatu)

Flor do Mato – Nelson Aires ......(Baião)

Mandinga – Marilia Giller ................(Samba Fusion)

A apresentação será no dia 30 de julho de 2008, às 18h30 no Museu Paranaense (Rua Keller, n°286) - Entrada Franca
Recomendar esta página via e-mail: