Memórias, amizades e mil concertos marcam os 39 anos da Orquestra Sinfônica do Paraná 29/05/2024 - 09:30

A pianista Analaura de Souza Pinto tem uma memória muito fresca do dia 28 de maio de 1985: estava no palco no concerto de estreia da Orquestra Sinfônica do Paraná no mesmo dia em que nasceu a sua sobrinha, Carla Maria. Nesta terça-feira (28) o corpo artístico e a mulher completaram 39 anos. "Sinto uma grande emoção por ter chegado até aqui, comemorando 39 anos de existência da Orquestra Sinfônica do Paraná e uma trajetória muito importante na música brasileira. Durante todos esses anos esse é um dia de comemoração dupla", afirma.

Essa é uma das histórias que têm a Orquestra como elo no Paraná nas últimas décadas. Amor, amizade, reencontros e encontros curiosos provam que o tempo é um aliado desse símbolo da cultura paranaense.

A história da Orquestra é repleta de momentos inesquecíveis entre coros, danças, teatro e cinema. Um dos fatos mais engraçados foi a participação de uma elefanta em uma ópera no maior auditório do Centro Cultural Teatro Guaíra, em 1993. A montagem de "Aida", em uma época em que animais ainda participavam de espetáculos com público, agitou a cena cultural do Estado.

A violinista Simone Savytzky lembra com carinho desse momento. Mila, como era chamada, recebia os músicos na porta do teatro. “Ela participou dessa ópera juntamente com um cavalo e um camelo. Todos os dias eu ia conversar com ela antes do ensaio, e dava uma maçã para ela comer”, conta. Ela guarda uma foto tirada na calçada da Rua Amintas de Barros com o animal.

Outra grande história é um encontro amoroso que aconteceu por acaso em uma apresentação em Londrina. Romildo Weingartner ingressou aos 18 anos na Orquestra Sinfônica do Paraná e desde 1993 atua como primeiro violoncelista. Juliane Martens iniciou sua carreira profissional na Orquestra Sinfônica da Universidade Estadual de Londrina (Osuel). Em 1999, a música promoveu o encontro entre o violino e o cello. Romildo e Juliane se casaram em 2002 e, desde então, estudos, ensaios e o palco do Teatro Guaíra entraram na rotina do casal, que hoje têm três filhos.

O tempo também expandiu as parcerias. Fagotista principal e um dos fundadores da OSP, Jamil Bark se formou pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná quando um professor vinha do Rio de Janeiro, porque na época não tinha professor de fagote no Paraná. Hoje ele é professor doutor na mesma instituição.

Alex Sanches iniciou os seus estudos em 2006 no Conservatório de Tatuí e lá teve aulas com Jamil em um curso de férias. “Eu fiquei muito impressionado com o jeito dele tocar”, lembra. No final do ano de 2019, o reencontro quando Alex fez o teste seletivo. “Eu não acreditava que ia tocar do lado dele, foi um sonho realizado entrar na orquestra e uma alegria estar do lado do professor Jamil. O acolhimento dele foi extraordinário, considero ele um pai, me dá conselhos e uma direção e sempre sorridente”, afirma.

Eles definem a relação como “pai e filho” e “professor e aluno”, mas o aprendizado é mútuo. “Somos em quatro no naipe e meus colegas são todos alunos meus, é muito orgulho. São excelentes e acabo sendo alunos deles também, porque me ensinam todo dia. Eu sempre tento ajudá-los a entender o dia a dia da Orquestra para que a rotina não tire o ânimo e a vontade de se desenvolver, porque o estudo em música não termina nunca”, define Jamil.

Simone e Mila. Apresentação com elefanta marca a história da OSP. Foto: Arquivo Pessoal
Simone e Mila. Apresentação com elefanta marca a história da OSP. Foto: Arquivo Pessoal

 

REPERTÓRIO – Hoje com 71 músicos, a Orquestra construiu ao longo dos anos uma história notável, ultrapassando mil apresentações dentro e fora do Paraná, com montagens de importantes óperas, balés, composições exclusivas e primeiras audições sul-americanas e brasileiras. Mais de 50 maestros convidados e 200 solistas, que vieram de diversos lugares do Brasil e do mundo, ajudaram a dar corpo ao grupo. 

O repertório da Orquestra Sinfônica do Paraná conta com cerca de 900 obras catalogadas de mais de 250 compositores, como Villa-Lobos, Camargo Guarnieri e os paranaenses Henrique Morozowicz e Augusto Stresser. Nas atuações com o Balé Teatro Guaira (BTG), destacam-se as montagens do balé “O Quebra-Nozes” e "O Lago dos Cisnes", de Tchaikovsky, e “Romeu e Julieta” de Prokofiev, além da participação nas óperas “Carmen” de Bizet, “Viuva Alegre” de Lehar e “La Bohème” de Puccini.

O primeiro maestro-titular foi Alceo Bocchino, um dos grandes nomes da música erudita no Brasil e, hoje, Maestro Emérito do corpo. Na época, Osvaldo Colarusso era maestro-assistente, além de 61 músicos selecionados através de um concurso nacional. Com a aposentadoria de Bocchino, Roberto Duarte assumiu o cargo de maestro-titular em 1999. Na sequência vieram os maestros Jamil Maluf (2000-2002), Alessandro Sangiorgi (2002-2010), Osvaldo Ferreira (2011-2013), Stefan Geiger (2016-2020) e Roberto Tibiriçá (2022).

“A Orquestra Sinfônica do Paraná, nesses 39 anos, percorreu um caminho de excelência, de qualidade e da dedicação aos paranaenses. A nossa projeção para o futuro agora é crescer um pouco mais o número de músicos da orquestra para grandes obras que exigem um efetivo maior e continuar lutando pelo compromisso de levar ao público um repertório de grande excelência”, afirma Tibiriçá.  A seleção de músicos para o Centro Cultural Teatro Guaíra passa pelo Serviço Social Autônomo PalcoParaná, vinculado ao Governo do Estado.

Atualmente, além da extensa programação que acontece ao longo dos anos no Teatro Guaíra, a Orquestra Sinfônica do Paraná também se apresenta em outras instituições (como escolas) e locais públicos, como praças, com o objetivo de democratizar o acesso à cultura e formar novos públicos dentro da música.

ANIVERSÁRIO – Para marcar a data, a OSP apresentou dois concertos ao público com casa cheia no domingo (26) e na terça-feira (28). O tema envolveu os choros do grande compositor brasileiro Heitor Villa-Lobos. Um coro sinfônico de 60 cantores se uniu aos músicos no palco do auditório Bento Munhoz da Rocha Neto (Guairão).

 

GALERIA DE IMAGENS